Arquivo do autor:Radhazen

Sobre Radhazen

Educador, historiador e fotógrafo, me envolvi com o tema da paternidade e da primeira infância quando experienciei o preparo e a emoção do parto natural humanizado em 2012. Desde então, não deixei mais o tema, me propus a ler e participar das rodas de discussão mantendo-me informado sobre as mais novas descobertas desse lindo e mágico universo que não é só feminino, hoje, com a maior participação do progenitor masculino, também do pai. Por isso resolvi criar esse espaço de divulgação e compartilhamento de ideias para papais de primeira e outras viagens. Como bem sabemos, não existem muitos espaços destinados exclusivamente a nós homens, papais que muitas vezes nos mantemos distanciados de nossas companheiras e mesmo de nossos filhos por falta de informação e sensibilização para a fase mais importantes dos pequenos... que é a primeira idade, ou seja, os anos iniciais de formação física, emocional e espiritual de nossas filhas e filhos.

Foi realizado no último sábado o primeiro ensaio fotográfico do projeto “A (re)invenção da Paternidade”

Padrão

No último sábado 28 de maio foi realizado no jardim da Igreja Medalha Milagrosa, localizado no bairro da Tijuca, Rio de Janeiro, o primeiro ensaio fotográfico do projeto “A (re) invenção da Paternidade” série que apresentará pais e filhos nas mais variadas situações e ambientes. Um dos objetivos do projeto é mostrar que a paternidade não se resume ao prover material e financeiramente… vai muito além: encontra-se também na formação emocional e espiritual de filhos e filhas.

Gostaríamos de agradecer ao casal Luciana e Ivan  e ao filho Mateus da Cruz Carvalho das Neves, promessa de vitórias e êxito do Brasil na esgrima, que, gentilmente aceitram o nosso convite. Também a terapeuta holística Prana Kishori (Patrícia Magalhães), integrante do coletivo RadhaZen por ter viabilizado o contato.IMG-20160528-WA0068IMG-20160528-WA0064IMG-20160528-WA0054IMG-20160528-WA0043

Anúncios

Voo do cancão

Padrão
Voo do cancão

A pobreza abatia o corpo e a alma num lugar longícuo em terras brasilianas como tantas famílias de um sertão seco para dedéo, sem uma gotinha de água, senhor doutor para curar as moléstias e todo o tipo de mau que abatia o corpinho das pobres alminhas que chegavam a esse mundo e logo partiam, ou,  governo que chega com aquelas benfeitorias que dá dignidade, eu, Chiquinho, parti com a família para um tal lugar que diziam que as casas, pontes e até os sonhos eram feitos de ouro o próprio nome já fazia jus “Eldorado” num tal lugar de nome estranho Carajás… “Eldorado dos Carajás”.

Pois bem, saí com a esposa Judith com “th” no final e meus cinco filhotes, foi um sofrimento danado, aquela criançada no pau de arara, aqueles caminhões ruins que tem um acento para o povo sentar, que lembra aqueles cotocos que a ave bonita se apóia para descansar, não era o nosso caso, coisa dura que nóis tinha que segurar para não cair na estrada enquanto dormia! Viagem longa, para lá de muitas e muitas horas, com as roupa do corpo, sacolas com que nóis teve tempo de colocar como se fosse lembrança na cabeça e partir com aquela promessa que a coisa ia dá certo! Padre Cícero, Dom Elder Camara, Santo Expedito e a Nossa Senhora, pedi a todos eles que me acompanhasse assim como a minha amada e os filhotes… Mas eu ficava de olho em Pedro, eita moleque certeiro, tinha uma perspicácia de um gato do mato!

Sabe, essa coisa de muito verde era algo estranho para nóis! Um descampadão que o povo que passou por aqui atrás do tal ouro e os metal de alta preciosidade desmatou tudo! Sem dó de pai, mãe e fío! Coisa que Deus deve ter ficado de pêlo em pé! Logo nóis nos instalamo… Num fazendão sem fim, mas não deu certo, fui para o garimpo mais era uma sofridão… Até que toda essa história começa o tal povo que não tinha mais um palmo de terra que foi enxotado igual cão sarnento se juntou, organizou aí a luta começou, logo, me juntei a isso mais minha família.

Pedro ainda moleque por volta dos quinze anos se mostrou empolgado com aquela história, movimentação de alfabetização, história de política, organização do povo do acampamento e instrução de saúde e defesa dos nosso direitos, nunca vimo aquilo de onde saímo, aquele lugar sêco que falei lá trás, onde os homi da lei, política e da terra é que achavam que era nosso Senhor. Mas fiquei mei preocupado sabe! Pedro aquele menino rastero, esperto como um gato da caatinga foi ficando astuto tão astuto que começou assustar o povo de muita terra e os grande que mexiam com mineração esse coisa que tem utilidade mais que é um coisa ruim, motivo de morte, desavença de toda ordem!

Apesar do pouco estudo sempre criei meus fiote, assimo como Judith fez também com base em observar o ritmo das coisas, da caatinga, da chuva que vinha poca ou nada, mas vinha no tempo dela de Deus, por algum motivo era assim, tinha explicação de Deus dos homi, como os bicho procria, os mandacaru que nasce e os cactu e tem seu tempo de vida e nascimento, a terra rachada… tudo! A escola foi a natureza e as poca letra que nos permitiram ter além da fé em nosso Senhô! Mas fui ficando mais preocupado o mundão ia nos engolindo aos poucos, fui perdendo o controle de tudo, Pedro foi se envolvendo mais com essa coisa da política da terra para esse povão sem chão, como nós também que saímo do nosso chão rachado que era nosso mas deixou de ser porque a força dos homens nos engoliu grande!

Sabe, foi um tal de faísca, tiro, incêndio e muita violência que nunca tive as vista para vê… O povo grande esses político, polícia, juíz macumunado com os rico ia solapando tudo os chão que nóis ia se apossando para comer, trabalhar, criar nossos fío que já iam crescendo e no ódio da terra de orige somado com as injustiça, imagina no que deu! Pedro estava naquela confusão do povo que fechou a estrada para os rico, toda essa gente grande que pisa no povo como se fosse formiga, formiga que como nós é coisa nobre de Deus! Nosso fio estava naquilo foi uma das cenas mais tristes vi tudo de longe, porque nunca fui de violência, nunca aceitei esse mundo, sempre de olho na bondade da natureza que é o nosso Senhor, não é? Vi o meu fio Pedro, deixar esse mundo como um lindo pássaro da nossa terra o Cancão… Lindo na sua elegância e perfeição que o povo desse mundo nunca irá de alcançar.

 

Fonte: Esse é um trecho do conto que integra a coletânea “Pai de Kabul” de Renato Oliveira que discute a relação de pai e filhos em zonas de conflito

 

Universidade do Inglês

Padrão

O que está impedindo VOCÊ de falar inglês?

Você talvez esteja pensando:

  • Eu não tenho tempo para estudar
  • Não sei nada, vou começar do zero
  • Tenho muita dificuldade para me concentrar
  • Minha língua é presa para o inglês
  • Não consigo entender nada
  • Eu não nasci para falar inglês.

    Vou ser sincero com você… Essas são desculpas que as pessoas inventam para não fazer o que precisa ser feito.

    Você PRECISA falar inglês. Não amanhã ou depois, mas agora. Já!
    Entre no link abaixo e estude na Universidade do Inglês.

Força Insular

Padrão
Força Insular

Da poeira da violência ressurgiu tudo, melhor, mais claro, menos defeituoso ou turvo. Caminhávamos solitários, eu, Yoko, minha esposa, Naomi minha linda e doce filha e Hideki, nossa árvore soberba! Fiquei profundamente desapontado em não ter visto ou percebido nas raras vezes que estive presente a sua esperteza, inteligência e sensibilidade, quanto a Naomi… linda! Ainda mais linda com seus gadôs* que tanto nos encantavam, retratando a nossa ancestralidade e a minha vida de humilde pescador. Yoko… companheira generosa que aos poucos a bebida, a guerra foi nos distanciando, mas ela com a bravura que era típica de uma descendente daqueles que expulsaram os ocidentais de nossa ilha a séculos atrás, tentava a todo o custo passar por cima do orgulho e trazia sempre o sorriso, amor e doçura fazendo -me me recompor por alguns instantes.

Não dá para contar algo tão doce como saquê para sensibilizar aqueles que poderiam ouvir a minha breve história, mas o desfecho poderia ser belo como aquelas lindas folhas de cerejeira, das quais me lembro muito bem em uma das minhas passagens por Tóquio ainda na juventude. O mais interessante, talvez, é o caminhar de nossa família pela poeira estranha e pesada e um calor que tinha cheiro e uma umidade mais baixa do que o normal.
– Aonde está o sol, o céu azul, aquele som das aves que como nós vivem do mar? Os nossos templos e a casa da bisavó? Perguntou Hideki. Meu filho de doze anos esteve na órbita dos generais, quem não esteve ou estaria em época tão dura? Se tudo isso não terminasse talvez se tornasse um pássaro da morte, um tubarão ou felino feroz.
Talvez não tenha sido um exemplo de pai, mas a morte nunca esteve na ponta da língua. Com a menina e meu pequeno preferia exaltar as aves e os peixes, esses que eram divinos na sua benevolência para nos servir de alimento. Acredito que eu, Yoko e as crianças tenhamos chegado a conclusão que era hora de unir as lembranças, lembrar dos chás, banhos em família, da mesa farta, do pôr do sol que víamos do engawa**.
Depois que tudo se acabou, a terra ficou estéril, o ar pesado e cinzento, o calor com cheiro; sentados em círculos de olhos fechados, mãos dadas, sentimos o frescor dos nossos corpos, a textura das nossas peles quando Naomi ao abrir os olhos vê inopinadamente ao seu lado um grou***, essa linda ave que cresceu em tamanho e beleza sobre os nossos corpos.
Hideki olhou para mim e disse: – Lembra, papai? Nossos sonhos são projeção e concretização do real. O meu filho cresceu, ficou maior do que eu com o brilho de uma bela cerejeira. Com suas mãos cálidas e perfumadas, Hideki nos colocou sobre a enorme ave. Num impulso deixamos para trás a ilha de Nagazaki. O grou nossa ave sagrada, a ave dos hermitões, tão bela nos conduziu para a projeção do que pensamos, sonhamos e queremos.

gadôs* Pintura tradicional japonesa

engawa** Engawa (縁側 ou 掾側), no Japão, é a denominação dada à faixa tipicamente pavimentada em madeira que ressalta da face das paredes constituídas por portas corrediças (shōji), cujo espaço está sob o beiral do telhado da casa tradicional japonesa. Equivale ao espaço designado no Ocidente de “varanda“. Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Engawa

grou*** O grou é um dos símbolos mais tradicionais do Japão, considerado tesouro nacional. Os japoneses acreditam que o grou é uma ave sagrada que simboliza paz e vida longa. Elas também simbolizam o amor conjugal e a fidelidade, porque essas aves são monogâmicas, ou seja, depois que um casal de grous se une, só a morte os separa (…) a ave representa o canal entre o mundo dos vivos e dos mortos e por isso é comum ver a imagem do tsuru sendo colocada em caixões, com o objetivo de que a alma do morto seja levada para o céu em seu voo. Dar um origami de tsuru a um amigo, indica desejar sorte, felicidade e vida longa a essa pessoa. Fonte: http://www.japaoemfoco.com/o-simbolismo-do-grou-no-japao/

 

Fonte: Esse é um trecho do conto que integra a coletânea “Pai de Kabul” de Renato Oliveira que discute a relação de pai e filhos em zonas de conflito.

Curso Online “Envolvimento dos Homens – Saúde + Paternidade e Cuidado”

Padrão
Curso Online “Envolvimento dos Homens – Saúde + Paternidade e Cuidado”

Informamos com grande satisfação que as inscrições do curso

“Envolvimento dos Homens – Saúde + Paternidade e Cuidado”,

elaborado em parceria pela Coordenação Nacional de Saúde do Homem, Instituto Promundo e Comunidade de Práticas estão abertas.

Convidamos a todxs para participar do curso e solicitamos a gentileza de fazerem ampla divulgação desse curso, que é totalmente gratuito e em ambiente virtual.

Acima descrevemos como deve ser realizado o acesso ao curso.

Contamos com a colaboração de todos para fortalecimento dessa estratégia tão importante para a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem – PNAISH.

O curso foi pensado para atender a crescente demanda de profissionais de saúde sobre como incluir os homens nos serviços de saúde e está dividido nas seguintes unidades:

  • Gênero, Masculinidades, Paternidade e Direitos;
  • Masculinidades, Paternidade e Saúde do Homem; e
  • Violência baseada em Gênero.

O objetivo é de que você entre em contato com os conceitos que serão apresentados e possa refletir sobre sua prática profissional no que se refere o envolvimento de homens e o engajamento no exercício da paternidade e do cuidado. Para isso, consideramos importantes que questões referentes ao cuidado venham de forma transversal nas unidades apresentadas, para que fique explícita a relação que possuem com as demais temáticas como gênero, masculinidades e violência.

Além de apresentarmos alguns desses conceitos, também proporemos debates, para que você possa participar ativamente da construção conjunta de conhecimento. Dúvidas e sugestões serão sempre bem-vindas!

Inscrições: https://cursos.atencaobasica.org.br/courses/16135/activities

Todo o nosso apoio!

 

Fonte: http://www.aleitamento.com/cuidado-paterno/conteudo.asp?cod=2119

Facebook anuncia licença-paternidade remunerada de 4 meses para funcionários

Padrão
Facebook anuncia licença-paternidade remunerada de 4 meses para funcionários

Maravilhosamente no final de novembro recebemos a notícia de que uma empresa na América do Norte por conta própria resolveu estender aos funcionários que se tornaram pais adotivos ou biológicos o direito à licença paternidade remunerada de 4 meses. Exemplo que deve ser seguido por outras empresas públicas ou privadas, o mais importante é que iniciemos o debate sobre os benefícios da licença paternidade para o pai que poderá ter a oportunidade de acompanhar a sua filha ou filhos nos primeiros momentos de vida fora do útero da mamãe. Para a mãe, ter o apoio afetivo do companheiro é definitivo para um quadro emocional mais estável nesse período de adaptação principalmente para as mamães de primeira viagem. A co-participação dos papais na lida com o bebê o envolve físca, espiritual e emocionalmente, transformando-o por completo, estreitando e fortalecendo laços com a sua companheira, traz conforto e segurança para o bebê, deixando-o mais afetivo nas suas relações interpessoais, além de dividir a difícil tarefa que ficava inteiramente com as mães no cuidar dos bebês.

De fato estamos rumando para uma quebrar de paradigma em que o homem “Macho Alfa” vai alcançando um outro estado de consciência, a de um “ser” humano, integral e integrado a natureza no aprofundamento etimológico que devemos dar a esse conceito, também com o outro, aquele que também divide consigo a linda e árdua tarefa de sermos pais, mães, amigos, cuidadores e geradores do futuro.

 

Segue abaixo a reportagem sobre o passo importante que Mark Zuckerberg deu na sua empresa, Facebook, quando se tornou pai, quis compartilhar com seus funcionários, homens, pais a oportunidade de passar quatro meses com o cuidar do filho e filha, mais interessante que a empresa enfatiza os diferentes modelos de família que se constituem, como de casais do mesmo sexo.

Boa leitura!

 

O Facebook anunciou nesta quinta (26/11) que todos os seus funcionários, independente do país em que estejam alocados, terão direito a licença-maternidade ou paternidade remunerada de 4 meses assim que se tornarem pais.

O anúncio foi feito por meio do Facebook pela líder do setor de Relações Humanas da empresa, Lori Goler, menos de uma semana depois de o CEO da companhia, Mark Zuckerberg, declarar que pretende tirar dois meses de licença-paternidade.

Antes dessa nova política, apenas os funcionários que trabalhavam nos Estados Unidos tinham direito a uma licença de quatro meses remunerada (pais e mães). Os que estavam em outros países, deveriam seguir as leis locais. Casais que adotaram uma criança ou que são formados por pessoas do mesmo sexo também terão direito à licença, independente de quem é o cuidador principal. A licença poderá ser dividida ao longo do primeiro ano de vida da criança como os pais considerarem melhor.

No texto publicado no Facebook, Lori disse: “Por muito tempo, a licença-maternidade remunerada foi dada somente à mãe que teve o filho”, escreveu Lori. “Nós acreditamos que pais e mães igualmente merecem o mesmo nível de apoio quando estão começando ou aumentando sua família, independente da maneira com que eles definem família.”

 

Fonte: http://revistacrescer.globo.com/Voce-precisa-saber/noticia/2015/11/facebook-anuncia-licenca-paternidade-remunerada-de-4-meses-para-funcionarios.html

Vídeo Para Campanha Kichante

Vídeo

Neste domingo chuvoso no Rio de Janeiro, que seja bem vinda à cidade Maravilhosa! RadhaZen Pai e Filhos gravou o seu vídeo para a campanha de arrecadação de recursos financeiros para o site Kichante. O coletivo visa com os recursos que chegarão, ampliar e desenvolver atividades socioeducativas e ambientais voltadas a pais, mães, profissionais de saúde e demais interessados na temática do Apoio Paternal. Um dos objetivos é constituir um espaço e infra-estrutura adequada para desenvolver várias ações que vão da Saúde à Cidadania.

 

Boa sorte ao coletivo RadhaZen Pai e Filhos em mais uma empreitada!

 

 

Roda de Conversa sobre Paternidade no Dia Internacional do Homem

Padrão
Roda de Conversa sobre Paternidade no Dia Internacional do Homem

No data que será comemorado o Dia Internacional do Homem, instituído pela Organização das Nações Unidas em 1992 para ser um momento de reflexão serão realizadas uma série de atividades no Museu de Arte do Rio, localizado na recém revitalizada Praça Mauá, zona portuária da cidade pelo movimento Homens, Libertem-se para discutir as Masculinidades. Meio a beleza da Baía de Guanabara e a exposição Tarsila e as Mulheres Modernas que está em cartaz no MAR, teremos a “Roda de Conversa” Paternidade: Do Campo Íntimo e Espiritual Ao Político e Ecológico. Essa “roda” contará com a mediação do educador, historiador e um dos criadores do Blog RadhaZen Pai e Filhos Renato Oliveira e como debatedores o ator Marcus Breda, Marcus Renato de Carvalho (Coordenador da Campanha de Valorização do Cuidado Paterno do www.aleitamento.com) e o ator Carlos Tonelli que abordarão assuntos como a Guarda Compartilhada e Alienação Parental, além de uma reflexão acerca da paternidade no século 21 em que aos poucos os homens vem assumindo ou dividindo o papel de colaboradores no ato do cuidar dos filhos.

O evento está sendo organizado pelo movimento Homens, Libertem-se que reúne pesquisadores, artistas e movimentos sociais. Entraram como apoiadores a Coordenação Nacional de Saúde do Homem do Ministério da Saúde, Secretaria Municipal de Saúde, Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro e o Museu de Arte do Rio.

Para conhecer todo o conteúdo da programação e fazer a inscrição para as demais rodas de conversa e para as oficinas acesse a página do evento https://www.facebook.com/events/1688173608086725/ ou acesse o link para a inscrição http://goo.gl/forms/CBzPqVde7W

Local: Museu de Arte do Rio, Praça Mauá, nº5, Centro, Rio de Janeiro.

Data: 19 de novembro
Horário: 13h30
Roda de Conversa 2 : “ Paternidade : do campo íntimo e espiritual ao político e ecológico” – Marcos Breda, Marcus Renato de Carvalho, Carlos Tonelli.

Mediador: Renato Lima de Oliveira

Roda de Conversa sobre Paternidade no Museu de Arte do Rio

Padrão

No dia 19 de novembro será comemorado o Dia Internacional do Homem, instituído em 1992 pela ONU Organização das Nações Unidas. Nesse dia, teremos quatro rodas de conversa que problematizarão o conceito das masculinidades no século 21. O evento está sendo organizado pelo “Movimento Homens, Libertem-se” que reúne pesquisadores, movimentos sociais e artistas, entre outros assuntos, será discutido o tema “Paternidade: Do Campo Íntimo e Espiritual ao Político e Ecológico.” Como mediador da “roda” teremos Renato Oliveira, educador, historiador, ambientalista, criador e responsável pelo blog RadhaZen Pai e Filhos, o ator Marcos Breda, Marcus Renato de Carvalho e Carlos Tonelli com os temas: Guarda Compartilhada, Alienação Parental e a paternidade no século 21. Não perca a oportunidade de participar dessa importante oportunidade de compartilhar dúvidas, saberes e contribuir com esses temas.

 

Roda de Conversa 2 : “ Paternidade : do campo íntimo e espiritual ao político e ecológico” – Marcos Breda, Marcus Renato de Carvalho, Carlos Tonelli.

Mediador: Renato Lima de Oliveira

Horário – 13h30FOLDER_2

 

Espaço do Foyer do Museu de Arte do Rio, Praça Mauá, nº 5, Centro.

Dia Internacional do Homem – Evento Discute As Masculinidades

Padrão

homensO projeto “Homens, Libertem-se, evento de problematização das Masculinidades” foi idealizado pela Campanha “Homens, Libertem-se” e está sendo realizado em parceria com o Ministério da Saúde, através da Coordenação Nacional de Saúde do Homem, as Secretarias Municipais de Saúde e Cultura, apoio da Funarte e apoio de cessão de espaço do MAR (Museu de Arte do Rio), entre outros. O evento se dará no dia internacional do Homem – 19 de novembro – e propõe uma problematização das Masculinidades e um questionamento às normas de Gênero direcionadas aos homens, buscando uma reflexão sobre o quanto influenciam negativamente os campos íntimo, ético, sociocultural, político e mesmo econômico de nosso planeta. Haverá ainda, no evento, um especial foco de atenção nos temas do cuidado e saúde do homem. 


Contaremos com a presença de profissionais e debatedores de diversas áreas do conhecimento, como médicos, psicólogos, sociólogos, antropólogos, jornalistas, políticos, artistas, entre outros. O Secretário Municipal da Saúde Daniel Soranz fará a abertura das Rodas de Conversa, que trarão formadores de opinião como o ex-Ministro da Saúde José Gomes Temporão, os artistas Marcos Breda, Elisa Lucinda, Bosco Brasil, o crítico de cinema e jornalista Rodrigo Fonseca, entre outros. Oficinas, aulão com a Academia Carioca, Tendas de atendimento à saúde do Homem, Flash Mob, grafites, Intervenções Artísticas Urbanas (incluindo uma realizada pelo Centro do Teatro do Oprimido, fundado por Augusto Boal) e um Show Musical (dos renomados Arnaldo Brandão e Tavinho Paes) brindarão com reflexão e festividade a programação que ocorrerá durante todo o dia no período de 8h30 h. às 21h.

PROGRAMAÇÃO:

Manhã:

8h30 às 12h – Praça Mauá

Rap da Saúde

Academia Carioca – Aulão

Grafitagem em 4 telas 1X1

Distribuição de preservativos e informações sobre prevenção HIV/AIDS – Grupo Pela Vida

Intervenção Artística Urbana com Bayard Tonelli

10h às 12h – M.A.R. – Salas 3ºandar

Oficina: “Masculinidades : Relevância e sentido de refleti-las; Estudos de Masculinidades também são humanismos”

Ministrante: Christina Montenegro

Oficina: “Laboratório Madame Satã: Masculinidades”

Ministrante: Flávio Sanctum e Raul Palencia (Centro do Teatro Oprimido)

Oficina: “Observatório de Segurança Familiar”

Ministrante: Guilherme Leoni

10h às 13h – M.A.R – Auditório

Exibição do filme “ O Poderoso Chefão” e Curtas Metragens com o tema das Masculinidades

TARDE:

13h – Praça Mauá

Intervenção Artística Urbana – “ Homens Libertem-se”

13h30h – M.A.R

– Auditório:

Abertura das Rodas de Conversa pelo Secretário Municipal da Saúde Dr. DANIEL SORANZ

Roda de Conversa 1 : “Políticas Públicas pela Saúde do Homem” – José Gomes Temporão, Angelita Herrmann e Marcos Nascimento.

Mediadora – Viviane Castello

– Foyer:

Roda de Conversa 2 : “ Paternidade : do campo íntimo e espiritual ao político e ecológico” – Marcos Breda, Marcus Renato de Carvalho, Carlos Tonelli.

Mediador: Renato Lima de Oliveira

15h – Praça Mauá

Intervenção Artística Urbana do Teatro Oprimido- Maremoto

15h30 – M.A.R

– Foyer:

Roda de Conversa 3: “ A Influência dos mitos das Masculinidades na sociedade, política e economia”- Bosco Brasil,Elisa Lucinda, Ana Gerbasi.

Mediador – Breno Cypriano

– Auditório:

Roda de Conversa 4: “ A representação do homem na mídia e nas artes” – Rodrigo Fonseca, Thiago Moyses e André Costa Pinto

Mediador – Marcelo Rocco

17h30 – Praça Mauá

Flash Mob

18h às 19h30 – M.A.R.

Encerramento – Roda de Conversa

“ Homens, Libertem-se” – Christina Montenegro, Marcelo Rocco e Thiago Moyses

Mediador: Marcello Accetta

19h30 – Praça Mauá

Apresentação musical por Toninho Paes, Arnaldo Brandão e poetas

Apresentação musical por Arnaldo Brandão e a cantora de ópera Clarice Gonzallez

INSCRIÇÃO PARA OFICINAS E RODAS DE CONVERSA PELO LINK
http://goo.gl/forms/CBzPqVde7W

– Link dos vídeos da campanha:

HOMENS LIBERTEM-SE! (HLS!) – Homens, Libertem-se!
Homem, o que você queimaria? – De “Homens, Libertem se!” – Homem, o que vocêqueimaria?

http://vimeo.com/85176343 Judith Malina convida: Men, Get Free!
– Link da Ficha de inscrição nas oficinas e rodas de conversa (a inscrição gerará certificado digital para os inscritos que se fizerem presentes).https://docs.google.com/forms/d/1zZJ5aJelbUU-I9g6FV4JHfIqNtnCVWO_NoILKMjoxr0/viewform?usp=send_form

Serviço

Homens, Libertem-se ! Evento Problematizador das Masculinidades no Dia do Homem

Data: 19 de Novembro de 2015

Horário: 8h30 h. às 21h.

Local: Museu de Arte do Rio M.A.R. (Praça Mauá, 5 Centro) e Praça Mauá